segunda-feira, 30 de junho de 2014

10 dicas de como escrever um bom texto

Postado por Alícia Guimarães às 09:00 0 comentários

10 dicas de como escrever um bom texto


O ENEM está chegando e o sentimento de culpa por não saber escrever uma boa redação está vindo junto com ele. Juro que te entendo. Todo mundo fica preocupado quando o assunto é "Redação do ENEM", dá sempre uma agonia só de lembrar que trinta linhas estão me esperando no dia 9 de novembro. Muita gente fica me falando "Ah, mas você já escreveu um livro, é fácil fazer uma redação!". Acreditem em mim, não é NADA fácil. Escrever porque gosta é uma coisa, agora escrever sabendo que você será julgado por uma banca de redatores muito mais experientes que você, é outra coisa muito diferente. Claro que ajuda, mas não é a mesma coisa e a pressão é maior ainda, porque se você tirar menos de 800, metade da população mundial vai ficar apontando para você e falando um milhão de coisas que ninguém quer ouvir.
Mas, vamos esquecer o ENEM. O foco agora é como escrever um bom texto. Não necessariamente uma redação (para falar a verdade nem sou experiente nisso), mas talvez ajude. Confiram abaixo algumas dicas.

  1. Domine o português. Não tem jeito, isso sempre vai te atormentar quando o assunto for: escrever.  Mesmo que for uma simples publicação no Facebook. Não adianta você ter um texto perfeito na cabeça se não tem um bom domínio do português, o resultado é que o seu texto vai ficar cheio de erro gramatical terrível e ninguém vai querer ler.
  2. Entenda sobre o assunto. Para elaborar qualquer texto, primeiramente, você tem que saber do que está tratando. Uma das coisas mais difíceis do mundo é escrever algo que se tem pouquíssimo conhecimento. Por isso que a informação é tudo.
  3. Não fuja do assunto. Particularmente, detesto ler textos onde o assunto do título não é abordado de forma clara, eu sei que a empolgação é grande, mas seja direto. Se o seu texto for sobre "Felicidade" não fique falando do Sol. Cite-o se necessário, porém não aprofunde. Deixe o seu assunto definido no início do texto e mantenha-o até o fim.
  4. Esqueça as gírias. Tudo bem que elas são legais, deixa a conversa leve, mas é um "saco" na hora de ler e escrever essas "paradas", "tá ligado"? Evite ao máximo escrevê-las. De preferência não escreva. Se você é viciado, o trabalho é maior e requer bastante treino.
  5. Não repita palavras. É extremamente chato ler uma coisa totalmente repetitiva. Por isso existe uma coisinha chamada "sinônimo", ele não foi feito à toa, meu povo. Então use sem moderação! Para isso, voltaremos lá para a primeira dica, não é mesmo?! Domine o português.
  6. Releia várias vezes. A autocorreção trás benefícios tanto para o escritor quanto para o leitor. A partir do momento que você se coloca na posição de "receptor da mensagem" vai se afastar do que escreveu e ter uma visão mais ampla do texto. Observe os erros, repetições, obscuridades e frases desnecessárias.
  7. Crie frases curtas. Até porque ninguém aguenta ficar lendo um texto sem pausa para respirar. Não fique querendo fazer um parágrafo maior do que o necessário só para parecer que o texto está mais bonito. De preferência, faça parágrafos curtos e sem enrolação.
  8. Fuja de estrangeirismo. Se você domina outro idioma além do português, parabéns, você é um cidadão salvo neste planeta, merece todo o meu respeito. Mas, não queira se aproveitar disso quando estiver escrevendo um texto, pois além de empobrecê-lo, vai confundir a cabeça do leitor. Imagina se eu estivesse parlando com voi em uma lingua que piccolo popolo conhecem?
  9. Evite palavras difíceis. Dominar o português, mais uma vez, vai te ajudar muito nisso. Não use um termo que você leu em Memórias Póstumas de Brás Cubas só para acharem que você é intelectual. Isso é chato! 
  10. Leia outros textos parecidos com o seu. Mas, lembre-se: NÃO COPIE. Se inspirar e plagiar são coisas diferentes. Se inspirar em algo é importante para escrever bem. No caso do ENEM, existem os textos de apoio. Tente tirar deles o que você achou interessante, escreva o que entendeu deles. É assim que funciona.
Então, espero que tenha ajudado um pouco. Escrever é muito bom quando se gosta do que faz. Se o seu problema realmente for grave em relação a isso, procure um curso de português. 

Beijos,

Alícia.

domingo, 29 de junho de 2014

Assassinos da Gramática

Postado por Alícia Guimarães às 13:32 0 comentários

Assassinos da Gramática

Domingo é dia de relaxar, mais uma semana vai se iniciar e temos que está dispostos a enfrentá-la (mesmo nas férias).  Já que o jogo do Brasil foi ontem (e que jogo!), hoje o dia é mais tranquilo e reservado para aliviar as tensões. Então, para darmos início a mais uma ótima semana, decidi postar aqui algumas pérolas que achei na internet, noooossa... É cada uma! Vamos dar uma olhada?


HAHAHA, e quem diabos queria ser você, meu filho?! Pelo amoooor de Jesus, vai aprender a escrever! Até porque não é nada "facio" ficar lendo essas coisas por aí...


Acho que sua "familha" não está nada orgulhosa disso, cara! :(


Até que concordo com ele. Dilma realmente deveria rever algumas leis do Brasil, e também investir na educação, porque olha... Não sou obrigada, viu?! Tá difícil!


Quem acha que clicar no botão azul iria deixar muita gente feliz, dá um "curtir" aí.


Mixto? Acho que quem escreveu isso foi um carioca haha (brincadeira). Ah, e usar o acento é legal de vez em quando.


Não, Jessica, você está errada... Pessoas inteligentes são aquelas capazes de escrever essa frase de forma correta. Vai estudar, mulher!

Puuuxa vida, o texto até que está bonitinho, mas, com certeza se escreve separado, ops! De onde você tirou esse acento em agradecer?! 


Lá está o concerteza "denovo"! Vamos pensar pelo lado positivo, pelo menos ele não escreveu "concertesa". E olha que eu já vi muita gente escrever assim... Ah, e outra coisa, esse agente aí é secreto ou de saúde?

Bom, pessoal, essa postagem foi só para darmos uma olhada em quanta coisa algumas pessoas erram, e pior, nem sentem que estão errando. Tenho vergonha alheia! Se em alguma dessas imagens você achou que o uso dos termos estava correto, tenho uma péssima notícia... Você é um assassino da gramática!

Beijos,

Alícia.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

"Alícia, e cadê o seu livro?"

Postado por Alícia Guimarães às 18:50 0 comentários

"Alícia, e cadê o seu livro?"


Juro que esta é uma das perguntas que me faço frequentemente todos os dias. Quando você termina de escrever um livro, dá um alívio imenso, porque você pensa que o trabalho duro acabou. Que nada, ele está só começando! Já faz um tempo que encerrei a história, e nada dela ser lançada! Estou louca para compartilhá-la com vocês! Ultimamente o meu tempo tem sido muito corrido em relação ao livro. Gente, dá o maior trabalho! Correr atrás de editora não é nada fácil, e convencê-las de que a sua obra é boa o suficiente para ser publicada é mais difícil ainda. 

O pior é que você não pode mandar para todas as editoras que achar no Google, muito pelo contrário, primeiramente tem que saber alguma coisa sobre ela, pesquisar pra caramba! Fora que o seu texto tem que está num padrão que eles estabelecem, ou seja, é uma lista de exigências enormes que se tem que cumprir antes mesmo de pensar em enviá-lo! Por isso que muita gente desiste nessa parte. 

Porém, eu não vou desisti. Sei que o caminho é bem longo, todavia, estou mais perto do que longe! Garanto! Mal posso esperar para publicar aqui no blog "O mundo mágico de Rachel acabou de ser lançado!", tenho absoluta certeza de que vou chorar litros! Enfim, para dar uma curiosidade a mais nos meus futuros leitores, deixo aqui um pequeno spoiler do livro. Espero que gostem :)

"Ela não sabia explicar e, apesar do medo, este era o momento mais lindo de toda sua vida, suspirou fundo e abriu os olhos, dando de cara com o maior aeroporto que poderia imaginar conhecer, já conseguia sentir o clima, sentir a pressão e a maravilhosa sensação de está nos Estados Unidos." – O mundo mágico de Rachel
Esta é uma das cenas que mais gostei. Estou bastante ansiosa para que leiam.

Para quem não sabe, a história se passa em 1996 na Disney, mas há cenários que acontecerão em Miami, e claro, no Rio de Janeiro. Algumas pessoas (principalmente as que já foram na Disney) vão sentir falta de alguns brinquedos importantes que não foram citados no livro, entretanto, lembrem-se que alguns deles ainda não existiam. Os nomes das apresentações também serão mais antigos, como por exemplo, o Fantasy in the Sky  hoje conhecido como o Wishes™ Nighttime Spetacular. A diferença está na tecnologia, mas dá pra notar (pelos trilhões de vídeos que assistique as apresentações não mudam muito, até vi um vídeo dia desses em que a fadinha presente na queima de fogos de 1991 era a mesma em 2013 :)

Bem, essas são algumas curiosidades do meu livro, e antes de me despedir quero deixar aqui o meu: 

Boa viagem, Aninha! 

A sortuda está indo para Orlando depois de amanhã! 

Enfim, por hoje é só.
Beijos,

Alícia.

Playlist do fim de semana!

Postado por Alícia Guimarães às 13:00 0 comentários

Playlist do fim de semana!

Nada melhor que curtir o início das suas férias (e do fim de semana!) com uma boa música, não é verdade? E quando se trata de música, ok, eu não sou tão boa assim... Claro que tenho ídolos, é difícil uma garota de dezesseis anos não ser apaixonada por algum cantor ou banda por aí. Eu sou (piradinha!) fã da Demi Lovato, Selena Gomez e One Direction! Sério, eles arrasam! 
Enfim, chega de papo! Escolhi cinco músicas para você curtir nesse clima aconchegante e aproveitar a Sexta!

Problem - Ariana Grande

Tem como não viciar na música?! Não faz muito tempo que a canção lançou, mas já está nos "Sucesso do iTunes", super bem merecido!   É uma prova de que a Ari tem muito mais a oferecer além do seu rostinho de bonequinha e sua fofura infinita. Minha melhor amiga é fã da Ariana, e pirou quando o clipe foi lançando. Depois que assisti, entendi o motivo. A Ari e a Iggy arrasaram! (Eu quero é novidade!

Summer - Calvin Harris


Sou apaixonada pelas músicas do Calvin! (desde Feel So Close!) Este single foi lançado em Março, mas a música é tão legal que dá vontade de você sair dançando por aí toda vez que escuta, haha. É uma ótima pedida para a Sexta a noite, hein?! E o clipe é bem legal de assistir, também. Vale a pena dar uma conferida se você ainda não ouviu :)

Pompeii - Bastille


Confesso que escutei um trecho dessa música pela primeira vez em um Vine que estava assistindo, daí procurei saber quem cantava e resolvi ouvir a música toda... Nossa! Amei! Quando eu escutei, senti uma sensação de liberdade, sei lá. Se você é desses que viaja enquanto curte um som, essa é a música ideal! E o refrão é o melhor de todos haha
Ah, quase esqueci de avisar para que você dê uma olhada na tradução, é muito perfeita, também.
"But if you close your eyes..."

Dare (La La La) - Shakira


Além de sortuda (ser o par romântico de Gerard Piqué não é para qualquer uma, meu bem! hehe), a diva é suuuuuper talentosa! Claro que vocês já devem ter escutado essa música por aí.  Ela foi o ícone da Copa de 2010 com Waka Waka (quem não lembra?!) e está de volta com um novo hit chiclete! Eu inventei de ouvir novamente... Agora vou passar o fim de semana inteiro com o "La la la la la!" na cabeça <3

Fancy - Izzy Azalea (ft. Charli XCX)


Agora que você já escutou Problem, sabe que a Izzy é realmente muito gata, e ainda tem um talento incrível para música, não é mesmo? Não é a toa que a rapper está conquistando cada vez mais fãs pelo mundo afora. Essa música é muito viciante! Adoro a parte em que a Charli XCX começa a cantar. Imagina que perfeito um feat da loira com a Nicki Minaj!! OMG  

First Love - Jennifer Lopez


Não é de hoje que a Jenni arrasa, né?! A nova-iorquina sempre foi a queridinha das paradas mundiais, óbvio, ela consegue juntar todos os tipos de perfeições numa só música. A  maioria das canções da americana são cheias de qualidade e muito dance! E First Love não fica atrás, com uma melodia incrível, é uma ótima escolha para uma tarde de Sábado, quem sabe.
Admito que até esta semana ainda não tinha escutado a música, mas o Mateus deu essa dica (dos deuses!) pra a gente ;)
#ficadica

Don't - Ed Sheeran


Geeeeeeente, essa música é t-u-d-o! Uma vez, eu estava trocando Snapchat com a Georgya e ela me disse que eu precisava escutar Don't, nem levei a sério para falar a verdade. Mas, quando finalmente ouvi, descobrir o motivo do Ed fazer tanto sucesso! Essa música é daquelas que já começa te fazendo dar aquelas "estraladinhas" de dedo e mexer os ombros, sabe? Haha, super adorei! Talvez seja coisa da minha cabeça, mas juro que lembrei do Justin Timberlake.

Really Don't Care - Demi Lovato (ft. Cher Lloyd)


A super poderosa, Demi Lovato, mas uma vez sambou na concorrência! A-m-e-i!! A música já foi lançada há um tempão, mas ontem a maravilhosa Demi lançou o vídeo clipe oficial. Gente, adorei! Um dos melhores vídeos que já assisti dela, e olha que sou fã, hein?! O clipe se passa no meio de uma parada gay, sim, parada gay!! É super colorido, divertido e dá vontade de você sair estirando o dedo do meio pulando e gritando "I really don't care!" por aí. Nem preciso falar que a Cher também está maravilhosa, preciso?! 

Find You - Zedd (ft. Matthew Koma, Miriam Bryant) 


Se você cansou de tanto pular depois que ouviu Really Don't Care, precisa dar um play em Find You. Ouvi ontem pela primeira vez e gostei bastante. Tudo bem, não foi uma das melhores músicas que escutei. Porém, nem por isso vou deixar de colocá-la na playlist. O ritmo dela começa meio lento, mas logo anima. ;)

Dar um Jeito (We Will Find a Way) - Avicii (ft. Santana)


Para fechar com chave de ouro, e em ritmo de Copa, Avicii também não fez feio e criou uma música muito bacana para o Mundial. Acabei de escutá-la! (dica de Mateus de novo!) Adorei, até porque já estava cansada de We Are One, parece que só tem ela! Vamos aproveitar que amanhã é jogo do Brasil e começar a torcer em grande estilo! Here we go oh oh oh...

Done!

Ok, gente, é isso! Esta é minha playlist para o fim de semana, fiz especialmente para vocês. E não fiz sozinha, sou péssima para isso. Gosto de música "antiga", sabe?! Sou totalmente por fora de lançamentos. Por isso que eu digo que todo mundo tem que ter um amigo chato como Mateus Andrade, o nosso DJ. Pelo visto ele sempre vai ficar me ajudando nesta sessão do blog já que sou tãããão desatualizada. Valeu, Dradinho!

Beijos,

Alícia.



quinta-feira, 26 de junho de 2014

5 livros para ler nas férias!

Postado por Alícia Guimarães às 21:51 0 comentários

    5 livros para ler nas férias!


Féééééérias! Ah, que alívio... Livre de aulas, provas e trabalhos, chega bate aquela felicidade, né? Pois é, querido leitor, eu te entendo. O mês de Julho marca esses merecidos dias de descanso. É uma delícia, mas passar o mês inteiro sem fazer nada muitas vezes nos deixa no maior tédio, se você não é de ler muito, provavelmente fica o tempo inteiro na televisão ou no computador esperando o tempo passar... Que tal aproveitar o seu tempo livre se deliciando com um ótimo livro? Tem coisa melhor para se fazer neste clima perfeito de inverno?! Ai, que frio...
Ontem à noite minha amiga me pediu que indicasse alguns livros para ler nas férias. Adorei a ideia! Prontinho Lorena, está aí o post como te prometi.

CIDADES DE PAPEL

Autor: John Green
Editora: Intrínseca 
Gênero: Ficção Juvenil; Romance; Mistério
Nº de páginas: 361 páginas
Sinopse: Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia. 
Créditos: Saraiva

Sinceramente, John, você me decepcionou. Sei que muita gente tem opiniões contrárias, porém, eu esperava muito mais do livro, talvez por este motivo, não tenha gostado tanto assim. Quintin (ou apenas Q) é o maior mané, convenhamos. Margo sempre o desprezou, e do nada, ela aparece na janela do garoto o convidado para uma vingança, e ele aceita! Pra falar a verdade, gostei mais do trio de amigos (Radar, Ben e Lacey) do que o próprio casal, a Margo quer ser o centro das atenções. Mas, pensando pelo lado de Green, talvez o amor que Q sentia por Margo fosse maior do que a vontade de negar um pedido dela.

Apesar de tudo, me diverti muito com Cidades de Papel. Adoro suspense, mistérios, essas coisas, sabe? E o livro tem muito disso, então acho que o autor não pecou em nenhum aspecto relacionado aos mistérios do romance. John trabalha para que o leitor se coloque na situação e encare as buscas junto com o personagem, gostei disso. 

O legal é que ele faz a gente cair na real que nós somos só pessoas. É reflexivo porque muita vezes fazemos muita pressão em cima de alguém, quando no final, essa pessoa é um ser humano assim como nós, também. E ela pode errar. 

Não gostei do final, vou ser bem sincera. Eu conheci John Green por um livro maravilhoso dele, A Culpa é das Estrelas, provavelmente você já deve ter lido, ou ao menos ouvido falar. O autor não muda muito o jeito de escrever, mas a história não é tão legal. Principalmente o final. Nossa, quando acabei de ler, fiquei olhando para a capa do livro pensando "Sério que o final foi este?". Margo prova que realmente não estava dando a mínima para a preocupação do garoto em relação ao sumiço dela. Cruzes! Deixou muito a desejar, porém, reconheço o esforço de Green e parabenizo-o pelo sucesso da obra.


AS MAIS

Autor: Patrícia Diva Barboza
Editora: Verus
Gênero: Infanto-Juvenil
Nº de páginas: 193 páginas
Sinopse: MAIS é a sigla da amizade, formada pela inicial do nome das amigas Mari, Aninha, Ingrid e Susana. As MAIS são alunas do Centro Educacional Machado, no Rio de Janeiro e são inseparáveis. Tanto que resolveram escrever um livro juntas relatando suas aventuras mais marcantes de um ano inteiro. O livro é narrado pelas quatro amigas, cada uma contando uma parte do ano letivo. Mari a pagadora de micos, Aninha a intelectual, Ingrid a romântica e Susana a atleta. Sonhos, frustrações, medos e micos (muitos!). Alegrias, conquistas e amores... Quatro personalidades diferentes, quatro maneiras de tornar a amizade única e inesquecível! Afinal, como diz a Mari, elas são as MAIS legais, as MAIS bonitas, as MAIS inteligentes e também as MAIS “modestas”. Divirta-se com as histórias dessas quatro amigas inseparáveis!
Créditos: Skoob

Sou suspeita de falar qualquer coisa que se relacione com a Patrícia Barboza. Lembra da dica do último post que fiz, dizendo que para escrever um livro a gente tem que se inspirar em outro autor? Adivinha em quem eu me inspirei? Na Pati, claro! A conheci no ano passado, quando minha prima favorita me presenteou com este livro, adorei e resolvi pesquisar mais sobre o trabalho da autora, simplesmente amei!

AS MAIS é o primeiro livro da série e conta a história de quatro melhores amigas com personalidades suuuuper diferentes que resolvem escrever um livro juntas contando sobre as aventuras delas no último ano do Ensino Fundamental. O mais legal de tudo é que a história é contada por todas as quatro! A cada trimestre uma delas começa a narrar, daí você as conhece claramente.

Como faz um tempinho que eu li o primeiro livro, confesso que não lembro de tudo. Mas, me identifiquei com a Aninha, tudo bem, eu não sou loira nem tenho olhos azuis, mas adoro ler, tenho um blog literário, e inclusive, sou muito comilona. A Ana Paula é do mesmo jeito, come e não engorda (nós temos essa sorte, haha)! Já a Mari é a "pagadora de micos", ela é super divertida e atrapalhada. Ingrid é a romântica da história, super fofa. Já a Susana pratica esportes e é viciada em produtos de beleza.

Eu me apaixonei pelo livro do começo ao fim, a Patricia consegue escrever de um jeito que prende totalmente a atenção do leitor e faz a gente querer virar a noite lendo, a autora descreve as personagens de uma forma tão bacana, que você já identifica de quem ela está falando sem ao menos alguém ter citado o nome! Foi o primeiro livro que eu li dela, quando eu terminei a leitura, fui pesquisar no Google outros livros de sua autoria e tcharam! Descobri o Sai da Internet, Clarice! Óbvio que eu fui correndo comprar, né?!

Infelizmente, a Pati já está escrevendo o último livro da série. Dá vontade de chorar só de lembrar que eu vou ter que desapegar das minhas meninas. Sério, gente, você realmente se apega a elas. É incrível. Admiro muito o trabalho daquela adorável carioca! E não é querendo puxar saco, mas ela é uma das escritoras mais simpáticas que conheço, parece nunca ter saído dos quinze anos. Sempre comentamos sobre AS MAIS por chat.

Então é isso, se você gosta desse gênero assim como eu, corre lá nas livrarias e compra a coleção inteira! Garanto que não vai se arrepender. Indico para adolescentes e também para pessoas que gostam de voltar ao passado e recordar-se da época da escola!

A CABANA

Autor: William P. Young
Editora: Arqueiro 
Gênero: Ficção
Nº de páginas: 232 páginas
Sinopse: A filha mais nova de Mackenzie Allen Philip foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar áquela cabana para passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta a cenário de seu pior pesadelo. O que encontra lá muda sua vida para sempre. Num mundo em que religião parece tornar-se irrelevante, "A Cabana" invoca a pergunta: "Se Deus é tão poderoso e tão cheio de amor, por que não faz nada para amenizar a dor e o sofrimento do mundo?" As respostas encontradas por Mack surpreenderão você e, provavelmente, o transformarão tanto quanto ele.
Créditos: Saraiva


Se acredita em Deus e ainda não este livro, por favor, não perca mais tempo! Ele foi um dos livros mais baratos que comprei, e sinceramente, o melhor que já li em toda minha vida. Este é o tipo de livro que um ser humano cristão não pode morrer sem ter lido. É incrível! Apesar de tratar de uma questão bem pessoal, é importante que a gente leia para questionarmos sobre tais perguntas. São duzentas e quarenta páginas que te fazem refletir sobre sua vida inteira, e o mais importante, te faz refletir sobre DEUS.

O livro trás a história de Mack, um homem que tem sua filha raptada durante um passeio em família. As evidências mostram claramente que a garota foi brutalmente assassinada e deixada numa cabana no meio da floresta. Após quatros anos desde o ocorrido, Mack recebe uma carta assinada por "Papai", convidando-o a ir à cabana para o encontrar. Mesmo desconfiando de tudo, o homem retorna ao lugar onde seus pesadelos começaram.

Como é uma leitura de reflexão pessoal, mexeu muito comigo. De uma forma que nenhum livro conseguira fazer antes. Eu parei muitas vezes para refletir, pois alguns trechos da obra merecem um momento especial. Vai depender muito de cada um, se você é desses que não gosta de mistérios, muito menos de "pensar" enquanto ler um livro, as chances de não gostar da história são enormes, mas tente ler até o final, vale a pena.

Antes de começar a leitura, você vai encontrar uma frase no prefácio que dirá: "Se você odiar esta história, desculpe, ela não foi feita para você.", então creio eu que ela foi feita para mim, sim. Talvez não tenha sido feita para você.

THE WALKING DEAD - A ASCENSÃO DO GOVERNADOR

Autores: Jay Bonansinga e Robert Kirkman
Editora: Galera Record
Gênero: Terror; Drama
Nº de páginas: 364 páginas
Sinopse: No universo de The Walking Dead, não existe vilão maior do que o Governador, o déspota que comanda a cidade de Woodbury. Eleito pela revista americana Wizard como “Vilão do ano”, ele é o personagem mais controvertido em um mundo dominado por zumbis.
Neste romance os fãs irão descobrir como ele se tornou esse homem e qual a origem de suas atitudes extremas. Para isso, é preciso conhecer a história de Phillip Blake, sua filha Penny e seu irmão Brian que, com outros dois amigos, irão cruzar cidades desoladas pelo apocalipse zumbi em busca da salvação.
Créditos: The Walking Dead Brasil


Se você curte esse gênero tanto quanto eu, te apresento o livro The Walking Dead. Adorei! Não consegui parar de ler desde da hora que comecei, eu só parei para dormir. Até para comer era com o livro do lado, juro. Muito interessante a história. Mas, essa parte de comer e ler é até um pouco nojenta. Quem assiste a série sabe muito bem do que estou falando, e acontece a mesma coisa no livro. Tem muitas descrições pesadas em relação aos zumbis, então, pegue leve na leitura se você tem o estômago fraco.

Não, antes que passe pela sua cabeça, caro leitor, o livro não tem os mesmos personagens da série. Se você é walker  assim como eu vai se decepcionar um pouquinho na hora que começar a ler. A obra apresentada fala exclusivamente sobre o Governador, sim o nosso vilão das telinhas. Ao desenrolar da obra, descobrimos como e o motivo que tornou Phillip Blake um homem tão rude.

Acompanhamos no decorrer do drama a fuga de Phillip, seu irmão Brin, seus amigos Nick e Bobby, e a sua filha Penny. (quem assiste a série sabe quem é Penny, e sim, no livro diz como ela morre!) O objetivo do grupo é continuar vivendo em um mundo infestado de zumbis. Eles pretendem cruzar a Geórgia para encontrar algum abrigo para sobreviventes.

O trabalho dos autores é fascinante e todas as cenas são muito bem narradas e descritas. É importante ressaltar que bastante sangue jorrará e muitas massas encefálicas rolaram nos cenários da Geórgia, então mais uma vez repito, se você não curtir esse tipo de coisa, nem leia. A gente entra mesmo no mundo apocalíptico, é muito interessante a maneira como eu fiquei cada vez mais eufórica em cada parágrafo.

Ah, lembrando que não precisa ter lido a HQ ou acompanhar a série, porque o que tem no livro você não encontra em nenhum dos dois. E, esqueça, Rick e sua turma não estão nesta obra.

DEIXE A NEVE CAIR

Autores: John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle
Editora: ROCCO
Gênero: Ficção Juvenil
Nº de páginas: 336 páginas
Sinopse: Na noite de Natal, uma tempestade de neve transforma uma pequena cidade num inusitado refúgio para encontros românticos. Em “Deixe a Neve Cair”, bem sucedida parceria entre três autores de grande sucesso entre os jovens, John Green, Lauren Myracle e Maureen Johnson escrevem três hilários e encantadores contos de amor, com direito a surpreendentes armadilhas do destino e beijos de tirar o fôlego. E provam que o amor verdadeiro pode acontecer quando e onde menos se espera.
Créditos: Saraiva




A obra reúne três contos escritos por três autores diferentes, eu não sou muito fã de contos, não vou negar, mas  me surpreendi com o livro! Ah, vale lembrar que eles vão se cruzar no decorrer da ficção, vai ter coisa que você vai entender o que aconteceu no primeiro conto só porque está lendo o segundo. É super interessante!

O primeiro conto, O Expresso Jubileu, fala sobre Jubileu (sim, isso é um nome!), uma garota que mantêm um relacionamento turbulento com o namorado, que ela julga-o perfeito, "o melhor namorado do mundo",  quando na verdade, ele não está dando a mínima para a Jub.

A garota se vê em apuros a partir do momento que os pais se metem numa encrenqueira e vão passar o natal atrás das grandes, fazendo com que Jubileu tenha que viajar até à Flórida para ir à casa dos avós. Ela não consegue passagem de última hora e tem que viajar de trem.

O problema é que a forte nevasca impede que o trem continue o percurso e eles param numa cidade chamada Gracetown. Junto a ela viajam umas líderes de torcida super chatas, daí que ela tem a brilhante ideia de ir até uma Waffle House, onde conhece o adorável Stuart, um garoto super diferente do seu namorado, e muito fofo, também. Ele a ajuda numa reflexão bem interessante sobre a turbulenta vida de Jubileu.

O conto é fofo demais, e o final ainda mais perfeito. Apesar de não curtir muito romance, dei gritinhos de felicidades e suspiros de emoção quando chegou numa cena bem fofa (vocês já deve imaginar o quê). Maureen caprichou em cada detalhe, inclusive na narração que não deixa nada a desejar.

O segundo conto (e o melhor, na minha opinião), O Milagre da Torcida de Natal, escrito por John Green, relata a história de um trio de amigos: JP, Tobin e Duke (a única garota entre eles), que ficam presos na casa da menina assistindo uma maratona de filmes do James Bond porque a neve não os deixam sair. Mas, como essa turminha é disposta a encarar qualquer parada, recebem uma ligação de um amigo deles que trabalha na Waffle House com um motivo bem louco: as líderes de torcida acabaram de entrar na lanchonete e elas precisam ser entretidas com um jogo de Twister.

O grupo encara a maior nevasca, o carro quebra, eles precisam descer, sofrem com o frio, mas mesmo assim não podem deixar de levar o Twister para as líderes de torcida. O conto é bem engraçado, até que chega na parte que confesso que me identifiquei bastante: Duke se incomoda com o fato de sempre ser vista como um garoto no meio do trio, pois os meninos sempre falam com ela como se ela fosse um deles. Nisso, a gente descobre que a Duke tem uma (penhasco) quedinha por Tobin. E o final, sem comentários, né?

Confesso que me surpreendi com o final. Mas, adorei o conto. Sério... É incrível como John consegue misturar tantas emoções em um só parágrafo. Adorei e já reli várias vezes.

No terceiro e último conto, Santo Padroeiro dos Porcos, vou ser bem sincera, não gostei muito, não. Narra a história de Addie, uma garota que é bem egoísta, na minha opinião. Que desconta todo o fim do seu relacionamento no seu pobre cabelo, coitado, não teve culpa nenhuma.

O que dá ênfase a história é o fato da garota ser obrigada a trabalhar no dia da pior nevasca dos últimos tempos. Aparece um porquinho super fofo no conto. Ela ficou encarregada de entregar a criaturinha para a amiga apaixonada por porcos, mas que não pode ter um de tamanho normal em casa, então foi em busca de um mini-porco na internet. Por isso o animal é tão importante para ela. Porém, Addie acaba se esquecendo do bichano e daí então, é só aventura.

É a prima coisa que leio de Lauren, então pelo o que vi, não curti o jeito de narração dela. Achei a história bem sem graça, mas continuei lendo porque é aqui que todos os outros contos se encaixam perfeitamente.

Enfim, gente, é uma leitura bem divertida, vai te fazer dar altas gargalhadas e muuuuitos suspiros. Prepare-se para encarar essa aventura congelante e se apaixonar por cada um dos personagens de todas as histórias.

Ok, minhas dicas acabaram por aqui. Não sou muito boa em resenhas, então... Por favor, me perdoem haha, prometo que vou melhorar num futuro bem próximo. Por enquanto eu fico com essas resenhas um tanto superficiais. Porém, espero que gostem do que preparei para vocês (eu passei muito tempo fazendo, muito tempo mesmo!), e continuei curtindo o blog. Estou adorando fazê-lo. Por enquanto minhas resenhas são escritas, mas talvez eu mude de ferramenta e passe a gravar um vídeo para postar aqui.

Não esqueçam de comentar o que acharam do post, e se já leram ou não os livros indicados acima :)
Estou aceitando sugestões, hein?!

Beijos,

Alícia.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

12 Dicas para quem quer escrever um livro

Postado por Alícia Guimarães às 16:45 0 comentários

    Sei como essa dúvida atormenta a cabeça da maioria dos novos escritores. É meio complicado pensar em como escrever de fato. Mas, antes de começar a pensar no início do livro, pense se você vai querer escrever uma obra ou ser um escritor propriamente dito. Há diferenças. E você tem que colocar na sua cabeça, também, que escrever um livro não vai lhe tornar rico, muito menos famoso. A não ser que corra atrás disso depois do seu trabalho finalizado. No momento que você decidir que quer publicar algo, tem que ter em mente que é uma coisa que fará porque gosta, e não por dinheiro ou fama. As emoções que um autor sente ao concluir uma obra, é algo indescritível. Ele tem que sentir o que escreveu. Porque tudo aquilo veio da nossa própria cabeça. Decidi postar algumas dicas para quem pensa em escrever um livro porque sei como é difícil começar uma história.
  1. Leia muito. Não adianta você querer se tornar um best seller se não gosta de ler. Até porque não tem lógica nenhuma, né? Geralmente quem ler muito, escreve bem. Daí você tira... Quem gosta de ler, conhece palavras diferentes, aprende novas coisas, sabe das estruturas de livros, se aquela cena é ou não desnecessária na obra, essas coisas básicas.
  2. Comece por pequenas coisas. Se você abrir o Word, começar a escrever um livro sem nunca ter escrito nada antes, a não ser que você seja um gênio, sua obra vai ser um fracasso! Antes de tudo, você tem que saber o que está fazendo, como já disse antes, tem que saber das estruturas certas, tem que ter criatividade. Comece por pequenas coisas, se você gosta de alguma banda ou cantor, que tal começar por uma Fanfic? Alguns autores começaram por lá. Se não curte esse tipo de coisa, já pensou em criar um Tumblr e postar seus contos, textos e histórias? Ou até mesmo um blog. Assim você vai saber se é realmente algo que quer fazer.
  3. Inspire-se. A maioria dos autores se inspiram em alguma coisa. E não é difícil saber em que se inspirar. Sabe aquele filme que você a-d-o-r-a? Que tal se basear nele? E aquela música que te emociona toda vez que você escuta? Já pensou naquela poesia que leu na escola e adorou? Pois é. Se inspire, observe detalhes. Veja técnicas de escrita de outros autores, se inspire em obras que você gosta. Mas, lembre-se: SE INSPIRAR NÃO É PLAGIAR, E PLÁGIO É CRIME.
  4. Quem, o quê, onde, como, por quê? Estas serão suas palavras chaves do começo até o fim da obra. Tente seguir este roteiro. Comece imaginando o enredo, ou seja, do que vai se tratar o seu livro? Pense nos personagens, conflito, clímax, desfecho. Apresente os personagens de forma clara, use todas as suas habilidades de descrição neste ponto. Você tem que pensar, primeiramente em quem fez o quê, em que lugar, como ele fez e o motivo de ter feito. Tenha uma história em mente! Lembre-se disso.
  5. Organize as ideias. Esta é uma outra coisa que muita gente peca quando decide escrever um livro. Você tem criar uma linha de ideias, anote tudo que vier na sua cabeça e leia em seguida. Pode ser o começo, meio ou fim da história, mas se você leu algo que deu aquela ideia para uma cena: anote. Não leve em consideração coerência ou ordem. Simplesmente escreva. Depois, quando for analisar, vai saber exatamente o que fazer.
  6. Faça um resumo antes de começar. Analise tudo o que organizou e faça um resumo daquilo. Reescreva toda vez que alguma nova ideia surgir, veja o que está faltando, coloque mais detalhes cada vez que reescrever o resumo. Decida se o narrador será de primeira ou terceira pessoa. A partir daí que você terá a base de como começar a escrever pra valer.
  7. Escreva todos os dias. Nem que seja por um curto período de tempo, ou até mesmo se você não aproveitar muito o que escreveu. Manter um hábito diário te ajuda a focar naquilo. Claro que não é para passar o dia todo na frente de um computador. Basta estabilizar horários, talvez sua inspiração venha após ler um livro, ou assistir um filme, então observe isso. Lembre-se que a partir de agora este será o seu trabalho. Já pensou o problema que causa ficar faltando no trabalho sempre? Mas, respeite o seu corpo. Se acontecer de você não está se sentindo bem em tal dia, deixe para outra hora. Mas, não esqueça que é o seu trabalho. Se você quer sucesso, não abandone-o. 
  8. Peça ajuda. Não adianta muito escrever duzentas páginas que você julga "publicáveis" se não tem alguém que te ajude com isso. Chame algum parente próximo que você confie e tenha tempo disponível para ler o que você escreveu. Talvez aquela cena esteja boa para você, mas para quem está lendo não está tão boa assim. E você não está escrevendo para si próprio, e sim para outras pessoas.
  9. Pesquise. Essa dica serva mais para quem quer escrever sobre uma garota que vive em Londres ou  alguém que vai fazer uma viagem para a Disney (Opa, Alícia!). Não tenha vergonha de perguntar para alguém que já conhece o lugar onde você está escrevendo. É importante demais. Principalmente se você precisar contar que o personagem foi fazer uma visita ao Big Ben, pesquise a história do Big Ben! Mesmo que você já tenha ido, é legal perguntar para quem mora, para outras pessoas, informação neste quesito é tudo!
  10. Tenha domínio do português. Dica importantíssima! Não precisa ser uma gramática ou crítico literário neste ponto. Também não é preciso incorporar Machado de Assis em pleno século XXI! Evite gírias (a não ser que o seu personagem use com frequência, porém tenha cuidado, gíria demais torna a leitura muito chata!), seja simples. Respeite a norma padrão da língua, tudo bem se não souber onde enfiar a vírgula (tão eu!), mas tenha cuidado ao escrever. Não tenha pena de devorar o dicionário, leia-o! Pesquise. Não confie nas correções do Word, muitas vezes ela atrapalha mais do que ajuda. 
  11. Prepara-se para a pior parte. Se você acha que a pior parte é escrever, sinto muito, meu querido, você está muito enganado! Escrever é a melhor parte. Ruim é quando termina. Você se apega demais aos personagens, porque de uma forma ou de outra, eles viveram contigo na maior parte do seu tempo. O pior mesmo é ir atrás de editoras. Se você escreveu um livro, creio eu que está querendo publica-lo, certo? Então... Dedique-se. Pesquise editoras que publicam obras parecidas com a sua. Não envie um romance para uma editora religiosa. Este processo é o mais demorado e decisivo de todo o seu trabalho, chega a durar anos! Mas, você pode pagar uma editora sob demanda, entretanto, isso fica para outro post.
  12. Saiba ouvir "não". A única certeza que tenho de tudo é que não será a primeira editora a dizer um "sim" para você. Serão meses ou até ANOS de busca até encontrar uma que queira publicar o seu livro. Nesse meio tempo você vai ouvir muitos "nãos", porém não desanime. Isso não quer dizer que sua obra seja uma droga, e sim que você precisa continuar a luta. Não é fácil, mas não desista. Quanto maior for a batalha, maior será o sucesso.
    Finalmente, terminei todas as dicas que andei pesquisando por esses dias. Todas foram de minha autoria, mas óbvio que eu tenho que pesquisar muito para fazer uma coisa legal para vocês. Lembrando que são só DICAS! Cabe a você levá-las os não a sério. Não sou nenhuma escritora profissional, mas tenho observado que todas as dicas que citei são úteis, pois passei por tudo isso e estou vivendo a número 12! Deixo aqui o meu boa sorte e o meu total apoio. Se precisar de ajuda, sem dúvidas posso te orientar. Sempre é bom ter alguém para compartilhar um dos momentos mais legais da nossa vida: o nosso primeiro livro!
    Ah, esqueci de falar que não pare! Se você quer ser um escritor de verdade, continue escrevendo assim que terminar o primeiro. Vai valer a pena. A partir daí, você vai saber se é ou não o caminho que deseja seguir para o resto da vida. Eu já sei que o meu é.

Beijos,

Alícia.

Bem vindos!

Postado por Alícia Guimarães às 14:36 0 comentários

OLÁ, PESSOAL!


E aí, galera! Primeiro post do blog, uhul! Fiquei numa dúvida danada sobre o que postar aqui e cheguei a conclusão de que vou falar um pouco sobre mim e o blog, claro. Criar o Letras&Cupcakes não foi uma decisão fácil. Muita gente me cobrava isso antigamente. E eu sempre falava "Ah, depois eu crio..." e esse "depois" nunca chegava. 

Ontem à noite, dia de São João, aqui na Paraíba a gente leva muito a sério isso, é uma das épocas do ano mais esperadas no Nordeste. Principalmente em Campina Grande, no maior São João do mundo! Mas, eu não sou muito fã de tal data comemorativa, "tenho os dois pés esquerdos para forró", como já disse minha "diva inspiradora", a escritora Patricia Barboza, numa de nossas conversas no Facebook. Portanto, prefiro ficar em casa curtindo a deliciosa chuva de inverno e mandando meu livro para as editoras que escolhi, quando tcham!, surge aquela ideia de fazer um blog. Foi tipo assim, do nada! Simplesmente entrei no blogspot, pensei num tema legal (o que não foi difícil), adicionei um playout e pensei: "Ai, quer saber? Vou criar o blog que estou devendo a galera!", e criei. Cá estou eu escrevendo a primeira de muitas postagens que vocês irão ler.

Eu sempre fui apaixonada pelo fantástico mundo dos livros, de verdade, sempre mesmo. Até antes de saber escrever eu já criava histórias na minha cabeça, segundo minha mãe. Talvez por este motivo cresci neste mundo e não pretendo abandoná-lo. Estou no 2º ano do Ensino Médio e prestes a fazer ENEM no fim deste ano. Pois é, como todo estudante, só de pensar em vestibular bate aquela agonia de "qual carreira seguir?", na infância eu desejava ser médica, mas descobri que minha vocação não era essa. Hoje decidi que vou cursar Jornalismo, quero ser redatora de algum jornal ou revista.

Aqui no blog trataremos de assuntos diversos, tais como: livros, músicas, comida, viagens, a minha rotina, essas coisas... Quero fazer um blog que chame a atenção de vocês, leitores. E também quero divulgar o livro ao qual vou publicar. Postarei dicas para quem quer escrever uma obra, ou até mesmo um texto legal. Não me considero melhor do que ninguém, isso não existe. Acho que as pessoas deveriam aproveitar o seu dom para ajudar as outras, por isso resolvi criar essa sessão de "Dicas" aí em cima.

Adoro conhecer novas pessoas, fazer novos amigos e apreciar outras culturas, então por favor, se apresente. Ah, e não se esqueça de me ajudar a crescer. Pode criticar, opinar, sugerir, etc. Vou adorar saber que estou sendo lida!

Enfim, deu para perceber que eu amo escrever, não é mesmo? Sempre usarei esse estilo para todos os posts do blog. Uma linguagem informal, mas ainda assim, cheia de paixão por letras e literatura.

Beijos,

Alícia.
 

Letras&Cupcakes Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos